Pânico no Mercado Mundial

“1,2 bilhões de homens, mulheres e crianças vivem em condições de absoluta pobreza. Oito milhões morrem de pobreza todo ano. Isso é o melhor que o capitalismo pôde oferecer. O que irá acontecer agora?”

O pânico contagiou o mercado de ações do mundo inteiro. As coisas estão completamente fora de controle, e não há nada que os governos possam dizer ou fazer para impedir isso. Como em 1929, quando as pessoas pensaram que o pior havia passado, novas quedas estavam prestes a acontecer. Ninguém sabe o quão fundo os preços das ações ainda irão. A economia mundial encontra-se em águas turbulentas. “Estamos bem longe do paupável”, disse Chris Orndorff, chefe da estratégia de eqüidade da Payden & Rygel, em Los Angeles. “É somente puro pânico, é só o que é”.

Ninguém faz a menor idéia de para onde tudo isso está indo ou de como irá terminar. Mas todas as luzes estão no vermelho. Hoje no mercado de ações de Londres, todas as ações estavam peremptoriamente baixas, mesmo ações como as farmacêuticas, que podem ser consideradas seguras. Ontem nos EUA, a “Dow Jones Industrial Average” (Média Industrial Dow Jones) caiu abaixo dos 9.000 pontos pela primeira vez desde 2003. Houve quedas similares por toda a Europa – Paris estava em queda de 8,4% enquanto a Alemanha estava em queda de 9,1%. As compras e vendas de ações no mercado de Viena foi suspensa até a tarde de sexta-feira. A burguesia soberba da Rússia, que pensava não ser afetada pela crise mundial, teve uma incômoda surpresa com a queda repentina dos preços de petróleo. Em Moscou, o mercado de ações permanece suspenso devido à volatilidade excessiva.

As ações americanas estão a caminho de terem o pior ano desde 1937. “Nunca vi um pânico como esse”, disse David Wyss, economista chefe da Standard & Poor’s. “Já vi mercados de ações caírem, mas não pânico generalizado”. O Washington Post de hoje escreve: “Medo e maus pressentimentos tomaram conta quinta-feira de Wall Street, quando o mercado novamente afundou e os investidores ficaram convencidos de que a Nação está caminhando para uma recessão profunda e prolongada”. O enorme pacote de US$700 bilhões com o objetivo de trazer os empréstimos interbancários de volta à ativa falhou de modo claro em seu objetivo. A taxa de três meses com as quais os bancos emprestam dólares entre eles (conhecida como “Libor”) cresceu para 4,8%.

Pesadas quedas estão sendo vistas por todos os mercados da Ásia enquanto se desenvolve um clima de medo. Em Tóquio os preços das ações despencaram mais de 10% e as negociações de ações e opções foram suspensas. Os preços das ações estavam caminhando para os mais baixos desde junho de 2003. O Banco do Japão reagiu injetando um total de ¥4,5 trilhões ($66,6 bilhões) nos mercados financeiros. As ações da Austrália caminharam para a sua pior semana desde o crash do mercado de ações de 1987. O índice Kospi, da Coréia do Sul, caiu para o seu mais baixo desde 23 de junho de 2006, enquanto uma queda nos futuros provocou uma parada no programa de troca.

Este foi o décimo oitavo dia comercial consecutivo que o banco central japonês derramou dinheiro dentro dos mercados para tentar assegurar o fluxo de dinheiro vital para o sistema financeiro. Mas não houve efeito. As ações de Tóquio despencaram 24% durante a semana, o dobro da semana da queda durante o crash do mercado de 1987. “As vendas estão impossíveis de se conter em Nova York e em Tóquio”, disse Yutaka Miura, estrategista sênior da Shinko Securities em Tóquio, “investidores estavam tomados pelo medo”.

Noutro lugar na Ásia foi uma história similar. O índice benchmark de Seng Hang em Hong Kong teve uma baixa equivalente a três anos, enquanto os preços das ações das Filipinas fecharam em baixa de mais de 8,3%. Na Indonésia, planos para reabrir o mercado de valores foram suspensos a fim de impedir aquilo que o presidente de câmbio chamou "pânico mais profundo”; As negociações foram suspensas por dois dias no começo dessa semana.

Na Índia, a bolsa de Mumbai despencou 6,5% no início do pregão. Pouco depois, o banco central da Índia disse que faria um adicional de US$12,8 bilhões disponível para os mercados financeiros. As ações australianas fecharam em baixa de 8,3%. Deixar-nos recordar que, há pouco tempo, a Ásia foi cogitada como o fator mágico que impediria um recesso global. E havia mesmo algumas almas simples que acreditaram nisso.

Grã-Bretanha na crise

Tony McNulty, um dos ministros no governo de Gordon Brown, transformou-se ontem no primeiro ministro a reconhecer que Grã Bretanha estava se dirigindo para a recessão. Disse que o sucesso do comunicado ingente aos bancos britânicos “será o precursor [sic] de quão profundamente e de quanto tempo será a recessão". Acrescentou: "Nós estamos lentamente chegando a um estágio onde a diminuição pode bem se transformar tecnicamente em recessão e então estaremos falando sobre a natureza e a profundidade da recessão."

Estes comentários pessimistas estão em grande contraste com as afirmações precedentes (não mais ouvidas) de que o resgate do banco central britânico ajudaria a resolver a crise de crédito. Esta afirmação audaciosa foi mudada da noite pro dia. Em vez do "resolver a situação do crédito”, sua finalidade seria "para evitar o colapso do sistema bancário". No total, Brown e Darling puseram cerca de £500 bilhões (libras) a serviço dos banqueiros. A maior parte disso está sob a forma de empréstimos e outras garantias, que dizem que será devolvida (embora quando, precisamente, não digam). Permanece a quantia de £50 bilhões, que têm esperança de serem devolvidos, mas não têm nenhuma idéia tampouco de como ou quando. Esperança, naturalmente, é uma coisa maravilhosa. Cada jogador espera que o lance seguinte dos dados o tornará rico. E esta esperança particular tem apenas um pouco de fundamento.

O que é verdadeiramente surpreendente é como estes cavalheiros falam sobre quantias desconcertantes de dinheiro como se fossem pequenos trocados. £50 bilhões é uma soma enorme. Corresponde a cinco vezes o custo previsto das Olimpíadas de 2012 e um terço de todo o dinheiro recebido como imposto de renda na Grã-Bretanha no ano passado. É igualmente 60% a mais do que o governo pediu emprestado no total no último ano fiscal. Esta soma é demasiado grande para vir dos impostos, de modo que será emprestada. Isto aumenta o nível já elevado da dívida da economia britânica. Isso irá impor uma carga pesada no contribuinte e impor limitações severas na despesa pública para o futuro próximo.

Gordon Brown reivindicou que é um investimento que deve eventualmente ser mais do que pago por si mesmo. O argumento é de que foi feito na Escandinávia. Mas enquanto foi verdadeiro que a Noruega recebeu o dinheiro de volta, Suécia e Finlândia tiveram perdas. Como todo o investimento, isto é um jogo, e seu sucesso ou não dependem inteiramente da recuperação ou não dos bancos. Mas não há nenhum sinal disso. De um lado, esta medida não teve o efeito de restaurar a confiança aos mercados financeiros. No mesmo dia anunciou-se que o FTSE experimentou uma queda de cinco pontos e continuou a cair desde então.

Isto confirma os comentários feitos por Colin Burgon (parlamentar do Partido Trabalhista inglês) na Câmara dos Comuns: "O que eu vejo é a mão invisível do mercado se enfiando no bolso do contribuinte e retirando £50bilhões”. As medidas atingem uma nacionalização parcial. Contudo não há ninguém nas placas dos bancos “nacionalizados” para representar os interesses dos contribuintes, e conseqüentemente nenhum controle real sobre os banqueiros.

Na Câmara dos Comuns, os conservadores e os liberais apoiaram o plano do governo. Naturalmente! Em uma crise, todos os bons homens e mulheres devem se reagrupar à Causa, o que quer dizer, a causa do capital. Os líderes de todos os partidos caíram sobre si ao mostrar sua lealdade à City Londrina. Mas o líder conservador David Cameron não podia resistir em marcar um ponto sobre seu rival do New Labour.

Com o tipo do cinismo polido que vem somente com anos de prática assídua, ele exigiu que nenhum bônus fosse pago aos banqueiros neste ano. Este pedido, que foi proposto para a audiência pública, pegou o pobre Gordon de surpresa (o que não é difícil de fazer).

Em uma exposição da inaptidão parlamentar que foi aterradora mesmo para seus próprios padrões, o primeiro ministro murmurou algo sobre a necessidade de “recompensar a competência”; ou palavras com esse efeito. Em um momento em que todos souberam que estes banqueiros “competentes” acabaram de destruir o sistema financeiro do mundo inteiro, tais comentários do líder do Labour (Partido Trabalhista) não terão ganho muitos admiradores novos dentro ou fora da Mãe dos Parlamentos.

É verdade que logo no dia seguinte, Gordon (alertado indubitavelmente por seus conselheiros) decidiu fazer indicações públicas de maneira que os banqueiros “irresponsáveis” teriam de ser “punidos”, embora a forma de como exatamente essa “punição” será efetuada permaneça obscura. Talvez sejam obrigados a escutar uma das palestras de Alistair Darling sobre a probidade financeira por um fim de semana inteiro. Prefeririam provavelmente ficar sem seu bônus anual.

Islândia - uma nação falida

Quando as quedas dramáticas nos mercados de valores de ação do mundo eram o sinal o mais visível do aprofundamento da crise, outro mais significativo era a ascensão das taxas de juros para o empréstimo a curto prazo entre bancos. Isto entrou apesar do corte de quarta-feira da taxa de juros, alvo dos principais bancos centrais do mundo. Mostra que os bancos estão com mais medo que nunca de fazer empréstimos entre si. A escassez de crédito anuncia desastre não somente para o sistema financeiro, mas igualmente para a indústria produtiva, os consumidores - e mesmo nações inteiras.

O Washington Post de hoje indicou dano que já tem sido infligido na indústria de manufaturados dos EUA: "Alguns dos piores danos estavam entre fabricantes de automóveis dos EUA. J.D. Power and Associates disse que o setor automobilístico mundial pode experimentar um ‘colapso imediato’ em 2009. Então, o S&A Agência de Avaliações pôs o débito da GM de sobreaviso de crédito. As ações da GM caiu 31 por cento a $4.76, a mais baixa desde 1950, e as ações da Ford estavam abaixo de 22 por cento."Isto significa que empresas grandes estarão falidas em um futuro próximo, com um aumento conseqüente no desemprego, que significará uma contração adicional do mercado, terminando em mais bancarrotas”.

O artigo continua: "Enquanto isso, nuvens mais escuras moveram-se para partes novas da economia. Problemas como nos sectores da produção de aço e de maquinaria pesada, que até recentemente cresceram de maneira sólida, contribuíram com a opinião dominante de que a economia americana entrou numa recessão significativa. Os economistas prevêem que a economia continuará a se contrair até o meio de 2009."

Mesmo a queda íngreme nos preços do petróleo era notícia má para o mercado de valores de ação, porque as ações de energia caíram. Exxon Mobil e Chevron cada uma caiu 12%. Os consumidores dos EUA reduziram perceptivelmente as despesas, o que será o primeiro declínio trimestral em 17 anos em que o governo publica seus índices para o terceiro quarto. Esta é a questão mais decisiva. O mercado norte-americano costumava consumir uma quantidade vasta de mercadorias produzidas em outros países. Uma redução sensível na demanda nos EUA significa que estes bens não poderão ser vendidos.

Agora toda a vibração dos economistas burgueses sobre a dissociação da economia dos EUA do resto do mundo expôs o absurdo como era. Como uma rocha pesada jogada em um lago, a crise está fazendo ondas. O tsunami financeiro que começou há dezoito meses nos EUA tem batido agora na Islândia, onde o banco virtual Icesave anunciou que congelará todas as contas de seus clientes, significando que qualquer um com dinheiro no banco terá que se candidatar para uma compensação a fim de receber de volta seu dinheiro. O banco relacionado ao Icesave, Landsbanki foi nacionalizado pelas autoridades reguladoras islandesas.

As tentativas de se obter o dinheiro das autoridades em Reykjavik falharam com a razão simples de que a própria Islândia está falida. A Islândia seguiu o exemplo da Grã-Bretanha e dos EUA no último período e sua economia está, conseqüentemente, bastante dependente da indústria de serviços financeiros e dos produtos financeiros. Em conseqüência, tiveram a maior exposição à crise do mercado de subprime. Isto conduziu à ruína de uma nação inteira.

A insolvabilidade afeta aproximadamente 350.000 poupanças no Reino Unido e nos Países Baixos, com aproximadamente £4,5 bilhões de depósitos. As autoridades locais e outras instituições públicas na Grã-Bretanha perderam um bilhão adicional. Desde que o governo britânico não extraiu garantias de Reykjavik que a Islândia pagará (é sempre difícil espremer sangue de uma pedra), foi tomada a etapa sem precedentes de congelar recursos islandeses no Reino Unido, usando leis antiterroristas para justificar sua ação. Isto conduziu a um incidente diplomático entre Reykjavik e Londres.

Estes são sintomas claros do desespero. Isso dificilmente é uma surpresa. Quando o governo britânico jogou £500 bilhões nos bancos, fez uma jogada realmente desesperada. Usou acima de todas suas reservas e mergulhou agora a nação mais profundamente no vermelho. A economia britânica conseqüentemente está exposta ainda mais aos efeitos da crise internacional do que era antes. Nick Louth escreve no MSN Money (8/10/08): "Entretanto, para todos nós o risco maior é agora para a economia mais larga. Puxando os bancos inchados pelos débitos em um barco salva-vidas nacional, a economia está funcionando muito mais baixo na água, e é muito mais vulnerável a ondas da recessão”.

Considerando que ser parte da área do euro protege países como Irlanda, similarmente afligido com a fraqueza da operação bancária e preços de habitação em queda, a libra esterlina (£) é extremamente vulnerável. Pedindo um extra de £50 bilhões, grande parte dele do exterior, o governo britânico minou mais ainda a confiança no valor da moeda. A esterlina tem caído já de encontro ao dólar e ao euro. A libra cairá mesmo ainda mais, refletindo a fraqueza da economia britânica, que já está na recessão. Muitas empresas pequenas estão enfrentando a bancarrota em conseqüência do aperto de crédito. E as maiores seguirão logo. O desemprego prepara-se para se levantar.

Anarquia capitalista

Os economistas burgueses expressam sua perplexidade total. Robert Solow, que ganhou um prêmio Nobel em 1987 pelo seu trabalho sobre crescimento econômico, disse ao Washington Post que "o potencial para a instabilidade estava sempre lá", mas está surpreso com a magnitude dos problemas. "Eu estou tão intrigado quanto todo mundo", disse. "Não tenho nenhum conhecimento em particular para vender". Estas palavras expressam adequadamente a psicologia atual da burguesia e de seus teóricos, que estão, para usar a expressão de Trotsky, em um tobogã para o desastre com os olhos fechados."

Em um esforço desesperado para conter a ameaça de catástrofe, os responsáveis políticos da economia global estão reunidos em Washington hoje para as reuniões anuais do Fundo Monetário Internacional e do Banco Mundial, e tentarão encontrar respostas coordenadas. Mas todas as medidas que foram tomadas o foram em vão. Os mercados continuam seu movimento descendente implacável. Mesmo como o chanceler britânico, Alistair Darling, e outros Ministros das Finanças do G7 (grupo dos países líderes da economia), chegaram em Washington para discutir planos para restaurar a “confianças” , porque, como vimos, o índice Dow Jones de ações principais tinha caído já abaixo de 9.000 pontos pela primeira vez desde 2003.

O alvo declarado do governo britânico nesta reunião era empurrar outros países para uma “abordagem compreensiva” para resolver o problema da crise financeira e um esforço renovado em reforçar a coordenação econômica internacional. Mas em primeiro lugar, quando um exército é distribuído no campo de batalha, e o grito vai "peut do qui do sauve!" (" Cada um por si! ") é inútil tentar restaurar um sentido de disciplina coletiva e do “esprit de corp”. Em segundo lugar, o governo britânico não está em posição de obrigar qualquer um a fazer qualquer coisa atualmente. De fato, está tendo bastante problema em fazer com que a pequena Islândia reembolse diversos bilhões de libras de depósitos perdidos.

O Secretário do Tesouro dos EUA, Henry “Hank" Paulson é cotado para tentar expandir a reunião para o G20, adicionando às economias avançadas do G7 aquelas da Rússia, da China, da Índia e de outros países de crescimento rápido, no velho princípio de que "a miséria gosta de companhia". Juntos contabilizam a maioria vasta do GDP do mundo. E o Sr. Paulson espera que todos estarão preparados para compartilhar a dor comum, ajudar principalmente os EUA a sair de sua miséria.

A reunião do G7 vem no fim de uma semana tumultuosa com os mercados que caem direto em torno do globo. O que nós vemos aqui é medo. O pânico que varreu mercados ameaça oprimir todas as tentativas pelos governos de conter a crise. Nenhuma das medidas desesperadas tomadas pelo Fed (Banco Central dos EUA) e pelos governos britânicos e europeus e os bancos centrais conseguiram impedir a debandada. Uma lei muito velha, o instinto gregário, governa a conduta dos mercados. A mais tênue percepção de um leão rondando pelo arbusto irá desencadear no rebanho de feras um pânico impossível de se deter. Este é o tipo do mecanismo que determina o destino de milhões de pessoas. Esta é a realidade nua e crua da economia do mercado.

O presidente Bush está agendado para fazer hoje uma declaração sobre a crise no Rose Garden. Igualmente tomará uma etapa incomum de se encontrar com os ministros das finanças do G7 no sábado. A secretária de imprensa Dana Perino disse que Bush "assegura o povo americano de que deve ficar confiante de que os oficiais responsáveis pela economia estão agressivamente tomando toda medida para estabilizar nosso sistema financeiro”. A suposição, como sempre acontece com a burguesia, é a de que a crise é causada por uma falta de confiança. Mas confiança reflete situações econômicas objetivas. Nenhum discurso de consolação por presidentes, por banqueiros centrais ou pelo papa de Roma fará a menor diferença.

Luta de classes na ordem do dia

Bem como os animais podem pressentir um leão, os mercados podem pressentir a iminência de uma recessão. Uma vez acontecido, nada pode pará-lo. Todos os discursos, todos os cortes da taxa de juros, e todos os comunicados aos bancos, não terão nenhum efeito nos mercados financeiros. Verão que os governos e os bancos centrais estão receosos, e tirarão as conclusões necessárias. Ontem, havia fortes sugestões do Tesouro dos EUA de que estão prontos para parcialmente nacionalizar alguns dos principais bancos da América. Este gesto fora do comum, que voa de encontro à face de todos os preceitos da economia livre do mercado, teve como objetivo acalmar os nervos. Naturalmente, não aconteceu assim.

O problema é que o que começou como uma crise de banco está afetando agora a economia real. O diretor de gestão do FMI, Dominique Strauss-Kahn, disse ontem que “estamos no limite de uma recessão global” e prometeu um programa de emergência de fundos para os países que experimentam dificuldades. Entretanto, recusou nomear todos os receptores da ajuda do FMI enquanto o competidor mais óbvio entre as nações ricas, Islândia, disse que não está procurando tais fundos. Em todo caso, o FMI não pode sublinhar o mundo todo. E a crise, que agora nos encara, é de alcance mundial. Nenhum país pode escapar.

A crise irá, indubitavelmente, atingir os países pobres da África, o Oriente Médio, Ásia e América Latina de maneira mais forte. Além do colapso das exportações, que afetará todas as matérias primas (exceto ouro e prata), incluindo petróleo, eles lidam com o preço ascendente dos alimentos, que é largamente resultado da especulação. Um relatório recente do Banco Interamericano preveniu que a alta dos preços dos alimentos irá levar 26 milhões de pessoas na América Latina à absoluta pobreza.

Robert Zoellick, presidente do Banco Mundial, anunciou que os mais pobres enfrentam uma “tríplice ameaça” de alimentos, combustível e dinheiro. “Os mais pobres não podem ser cotados a pagar o preço mais alto. Nós estimamos que 44 milhões a mais de pessoas vão sofrer de subnutrição neste ano como resultado da alta do preço dos alimentos. Não podemos permitir que uma crise financeira se torne uma crise humana”. Essas são belas palavras, mas, como diz o velho provérbio inglês, belas palavras não põem manteiga no pão.

Mesmo durante o boom, a maioria esmagadora se beneficiou pouco ou não se beneficiou de modo algum. Existe uma polarização extrema entre ricos e pobres em todos os paises. Dois por cento da população mundial possui agora mais da metade da riqueza mundial. 1,2 bilhões de homens, mulheres e crianças vivem em condições de absoluta pobreza. Oito milhões morrem de pobreza todo ano. Isso é o melhor que o capitalismo pôde oferecer. O que irá acontecer agora?

Em todo mundo o humor das massas têm mudado. Na América Latina existe uma fermentação revolucionária que se intensificará e se espalhará em outros continentes. Na Grã-Bretanha, nos EUA e em outras nações industrializadas muitas pessoas que antes não questionavam a ordem social existente agora o fazem. Idéias que anteriormente eram ouvidas por um número pequeno irão encontrar eco entre o amplo público mais distante. O campo está sendo preparado para uma insurreição sem precedentes da luta de classes em escala mundial.

Londres, 10 de outubro de 2008.